sábado, 10 de março de 2018

...fechou-se a cortina



Após 44 anos em cena, hoje, fechou-se a cortina. O pano agora tapa o seu corpo, a sua vida. Não voltaremos a ouvir a sua voz. Não voltaremos a sentir o seu toque. Não conseguiremos voltar a rir juntos. Não seremos capazes de construir mais nada. Nas suas mãos leva o terço, sinal da nossa esperança. 

Ficaremos do lado de cá, à espera de mais um vinda ao palco, até ao dia em que a nossa memória nos comece a atraiçoar. 

Quando o pano se fecha, ficamos imóveis a viver uma realidade que não é a nossa, é a do seu ator e autor. Em menos de um mês perdeu a vida que lhe corria nas veias para um assombroso e oportunista linfoma. Um merdas que se apoderou e se tornou maior que ela.

Deixaste de estar no palco. 

A cortina fechou-se. Os que assistiram à tua peça durante 44 anos estão a sair agora. Não sabem para onde ir. Perderam o Norte. Apenas olham para o céu e elevam as palmas e as flores em tua honra. Apenas o silêncio, a dor, a vontade de acordar...

Sem comentários:

Enviar um comentário