quarta-feira, 5 de junho de 2013

Humanizar a Escola


Não sei se já tinha dito isto, mas hoje, depois de ouvir as notícias acerca do que o ministro Crato anda a fazer, lembrei-me deste excerto: "“Prazer”, “descoberta”, “erro”, “tempo”, “encanto”, “escuta”, “partilha”, “criatividade” são palavras muito poucas vezes mencionadas nos principais documentos reguladores da educação. “Pré-ocupamo-nos” demasiado com os resultados esperados, e deixamos de nos “Ocupar” com a construção do caminho ao longo da vida. “Pré-ocupamo-nos” com a regra e deixamos de nos “Ocupar” com a excepção. “Pré-ocupamo-nos” com um decreto, e deixamos de nos “Ocupar” com as pessoas que estão à nossa frente, e para quem somos um farol. “Pré-ocupamo-nos” com o quanto, e deixamos de nos “Ocupar” com o como. “Pré-ocupamo-nos” com o Todo, e deixamos de nos “Ocupar” com a parte. “Pré-ocupamo-nos” com o progresso material, e deixamos de nos “Ocupar” com o Ser. E de tal forma nos esquecemos de Ser, que hoje em dia é urgente Humanizar a escola, dar-lhe vida, dar-lhe o verdadeiro sentido de Ser. Em todo o nosso Tempo semeamos para depois colher, e a melhor das colheitas será conseguida se respeitarmos o verdadeiro tempo de Ser."

Com as notícias que vemos diariamente na televisão e com o que sabemos enquanto Educadores, cada vez convenço-me mais da urgência de Humanizar a Escola e o ministério que a tutela. Quem está de fora acha um horror os professores fazerem esta greve aos exames, quem sai prejudicado são os alunos, e que os professores são uma cambada de insensíveis. Quem está dentro acha um horror não saber se pode, por exemplo, pagar a sua casa no próximo mês de Setembro, se tem emprego, e sabe que o timming das medidas foram os exactos para utilizarem as crianças como escudo... Eu tenho para mim que as orientações ministeriais estão a servir para desorientar muitos milhares de vidas e que, sobretudo, não primam pelo essencial: o respeito por quem Educa e por quem é educado. Algo vai muito mal neste reino à beira-mar plantado e quem vai levando a maior porrada são, directa e indirectamente, os nossos Filhos.


2 comentários:

  1. Beijo Sabura excelente, este.
    Gostei muito do teu ponto de vista.
    Acrescento que nos documentos ministeriais falta a palavra "arte".
    E permite-me deixar este link que acho fabuloso (talvez já o conheças):
    http://youtu.be/iG9CE55wbtY

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Sandra! É mesmo isto que anda por aqui a vaguear, quer dizer, isto e outras que mais mas não vá alguém passar por aqui com uma APP Azul e danificar o Beijo! Tens toda a razão na palavra que faltou! Em relação ao Sir Ken conheço há muito tempo e vale sempre a pena ouvi-lo e lê-lo! Obrigada! Beijos Sabura!

      Eliminar