quinta-feira, 4 de julho de 2013

Posto Saúde Oriente Lisboa, neste século XXI

Local: Posto de Saúde da zona Oriente de Lisboa
Século: XXI
Personagens: Pessoa Mãe (PM), Pessoa Filho (PF) e Pessoa Dra. Médica de Família (PD) 
Objectivo: Pedir atestado médico para PF, dando a conhecer PD e PF

Na hora certa, ao microfone do Posto de Saúde é anunciado o nome de PF. Este e a PM deslocam-se e batem à porta do gabinete. Entram...

PM e PF - Bom dia! Podemos?!
PD - Bom dia! (pausa para PM e PF se sentarem). O que querem?!
PM reflecte "comprar laranjas aqui não dá... meter o euro milhões também não... ahhhh é uma consulta!"... Estamos aqui para atestar a boa saúde do PF.
PD - Mas eu não o conheço.
PM - Pois, por isso é que ele está aqui.

PD - Mas eu não o conheço.

PM - Pois, por isso é que ele está aqui. De outra forma eu não o trazia para um posto de saúde...
PD - Mas eu não o conheço. Onde é que anda a ser seguido?
PM responde que é num médico particular, mas que já era altura de conhecer a PD.
PD - Pois, mas eu não o conheço. E isto não é assim.
PM reflecte "não conheces, não te estás a esforçar nada para conhecer e eu estou quase a não querer que o conheças"... Certo, mas pensei que, como é médica DE FAMÍLIA TALVEZ o quisesse conhecer.
PD - E além disso estou a ver aqui (computador) que tem as vacinas em atraso. A última que levou foi em 2009. Tem aí o Boletim?
PM - Por acaso não, mas como está a vê-lo no computador, se calhar não é por essa razão que não pode dar um simples atestado médico, a dizer que a criança se pode matricular na escola...
PD - Não o conheço e não tem cá o boletim de vacinas... como é que quer que eu ateste alguma coisa?
PM - Pois, se calhar olhando para ele. Está aqui. Mas já agora diga-me, como é que ele tem vacinas em atraso? Quando deveria ter levado? Estou a achar estranho...
PD - Devia ter levado entre os 5 e os 6 anos...
PM - Ah, então não está em atraso. Ele está MESMO entre os 5 e os 6 anos.
PD - Não, está em atraso. Eu sem as vacinas em dia não passo nenhum atestado e isto tem regras, e a consulta não é esta... tem de marcar consulta de Saúde Infantil.
PM - Ahhh... olhe nem sabia que existia. Mas onde é que se marca?
PD - Aqui.
PM - Mas a consulta é aqui?
PD - Sim.
PM - Já agora pode ver para quando há marcações, se for para Setembro não quero, obrigada.
PD - Pois, só para setembro.
PM - Então não quero, obrigada. Obrigada pelo esclarecimento.
PF - em silêncio o tempo todo...
PM e PF saem educadamente do gabinete daquela pseudo profissional de saúde, que em tempo se formou para ser médica de famílias.

PM reflecte... "Volta Isabel Costa (antiga verdadeira médica de família que entretanto se reformou) volta!!! Para a Medicina convencial não basta a Pessoa à frente, tem de ter um papel das vacinas à frente (e se eu não fosse apologista de as tomar, meu Deus! Era presa ali!), e tudo inserido no computador. Lá se foi o olhar clínico, o acto de observar o doente. Até me podia ter dito que precisava de fazer análises, electro-cardíagrama, raio-x para conhecer o PF (o que seria estranho - o PF tem cinco anos - mas aceitava). Ou, em estado de loucura, perguntar à PM acerca do seu filho, mas nada... "
Saímos, telefonámos à médica particular que o segue e o atestado de saúde estará pronto amanhã. O SNS demora sempre mais tempo, muito mais tempo. Por norma não me queixo dele, mas isso só acontecia porque tinha uma Verdadeira Médica de Família que sabia de toda a gente da família, mesmo os que não estivessem inscritos no seu posto de saúde.
Aquela PD que eu só conheço o nome - Fátima Bráz -, e que eu não faço questão de continuar a ver, não vai ter de sofrer com mais minutos de aproximação entre esta família e a sua pessoa. Aliás, ficará sem uma família para atender e eu,  tenho quase a certeza, que irei receber um cartão seu a agradecer por tal facto. Se ela me convidar para sermos amigos no facebook também não vou aceitar... eu não a conheço! E como diz uma amiga minha, para me conhecer e ser minha amiga, primeiro tem de vir um dia às compras comigo, participar numa festa de anos do meu filho e dormir uma noite em minha casa! De outro modo, nada feito.

3 comentários:

  1. É uma vergonha. Merecia uma reclamação, ainda que mal adiante para alguma coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma vergonha, e cheia de falta de respeito e de profissionalismo. Mas há regras, como ela diz, só se esqueceu do seu código ético :(

      Eliminar
  2. Seria dos saltos de agulha? :) Agora algumas médicas estão armadas em tv stars! :)
    Falando a sério, eu já reparei que quando vou ao meu médico de família, ele olha mais para o computador do que para mim. Se está com um estagiário, está a falar do meu problema e a discutir o melhor a fazer à minha frente. Sinto-me uma autêntica cobaia e como estou fragilizada pela doença saio do centro de saúde sempre mais triste do que entro. Na recepção deparo-me com uma data de regras pouco explícitas que por ir lá tão poucas vezes não fixo. Ainda me tratam como uma garota ignorante "Oh menina, não sabe??!!" Só nessas alturas me gosto de fazer valer da data de nascimento no cartão de cidadão.

    ResponderEliminar