domingo, 20 de abril de 2014

Pilar, Mª de Fátima e eu, que é como quem diz, "A Ressurreição 38 anos d.R."

Foi um verdadeiro fim de semana santo. Por estes lados também se deu a morte e a ressurreição! Dona Sábia e Dona Desastrosa, que ficaram a conhecer na última "blogsta"(é favor tomarem nota desta nova palavra - 1º ressurreição do fim de semana - a junção de "Blog" e "Posta" (que é o que por aqui se manda...)) assim como nasceram, tão depressa morreram e ressuscitaram! Não foram precisos quarenta dias, sacrifícios, jejuns, calvários ou pregos na cruz... foram somente necessárias quarenta e oito horas para todo o processo acontecer! Minhas estimadas amigas de longa data, quiseram dar a sua palavra cá em cima no mundo virtual. Depois da sua aparição, fizeram uma peregrinação entre o rio e o mar, viram uma luz, deu-se-lhes um badagaio, e ressuscitaram precisamente hoje. O Dia de acreditar que há mais vidas! Elas não estiveram penduradas numa cruz (muito embora nos apetecesse fazê-lo a Dona Desastrosa), elas estiveram em período de reflexão e aproximação ao seu Deus - eu, a Rita! Depois de uma longa caminhada por entre escarpas perigosas e pontas de Cabos, Rita, Dona Sábia e Dona Desastrosa decidimos dar-nos outra vida, aliás, A Vida. Voluntariosamente, Dona Sábia caminhou até à ponta do Cabo, arranjou o cabelo, colocou o anel no dedo e, deu um pequeno impulso ao seu leve corpo, de modo a seguir boleia do vento. Já Dona Desastrosa, contrariada, imaginando sempre um pior cenário, no peso da sua gordura e no tamanho dos pés, andou furiosamente até à ponta do Cabo, esticou o seu pé 40, veio uma rabanada de vento e pum! Não teve tempo para mais nada. Cá em cima, Rita, sempre em guarda, aguardava o tal visionamento da nova Vida. Aguardava um sinal divino, um som, um foguete de sinalização... mas nada. O único sinal que teve foi o seu carro trancado por um autocarro de espanhóis e uma borla num pão com chouriço "quentinho, quentinho acabadinho de sair do forno!" (cadê o forno senhora? Você aí só tem um micro ondas!). Mas é certo que, Rita como boa Tuga que é, viu o divino nesses sinais. Ora, Dona Sábia encarna naquele autocarro cheio de gente bonita, de nuestras hermanas, de corpos esbeltos e cheirosas e ressuscita como "Pilar". Por sua vez, Dona Desastrosa, ao sentir o cheirinho da chouriça, da bifana e da fartura ressuscita ali mesmo ao lado da roulotte enquanto "Maria de Fátima".
Temos então uma nova Vida para apreciar, a de Rita, Pilar e Mª de Fátima. De vez em quando terei todo o prazer em "blogstar" o seu Caminho! Para já posso dizer que apenas 10 minutos de ressurreição, Pilar convenceu Mª de Fátima a inscrever-se num ginásio! Há esperança nesta nova Vida! A Ressurreição, 38 anos, depois de Rita.




O nosso Calvário

Sem comentários:

Enviar um comentário