domingo, 29 de junho de 2014

Na vida de mãe solteira


Vida de mãe solteira também tem coisas boas, muito boas. Vida de mãe acompanhada também tem coisas boas, muito boas, de certeza.

Na vida de mãe solteira tu não te podes esquecer de uma compra no supermercado porque não tens tempo para voltar para trás, tirar o filho do carro, ir à loja, voltar a entrar no carro e seguir viagem.


Na vida de mãe solteira tu chegas a casa e o copo continua desarrumado no mesmo sítio.

Na vida de mãe solteira tu não te podes esquecer do creme, da roupa, sapatos, livros, cadernos, lápis, afia, manual, lanche, lenços de papel, toalha de rosto, escova e pasta de dentes, equipamentos, assinatura no recado, dos calções, do protector, do banco, da toalha.

Na vida de mãe solteira tu tens de ter os remédios básicos, mezinhas etc. sempre à mão. 

Na vida de mãe solteira tu tens de lembrar-te SEMPRE de colocar no ON o despertador.

Na vida de mãe solteira tu não podes esquecer-te do telefone, dos carregadores, da mala do computador, da mala de mãe, da mala do filho, do saco dos livros e do saco das actividades extra escolares.

Na vida de mãe solteira tu chegas a casa, pousas telefone, os carregadores, a mala do computador, a mala de mãe, a mala do filho, o saco dos livros e o saco das actividades extra escolares e durante 10 minutos ficas para ESTAR com o teu filho.Na vida de mãe sol
Na vida de mãe solteira depois desses dez minutos anuncias a tua transformação ao mundo (leia-se filho) "Mãe Master Chef" . Arrumas tudo o que ficou no chão, arrumas o que tinha ficado desarrumado pela manhã, idealizas/preparas a refeição, respondes às questões dos trabalhos que vêm para casa, e anuncias a próxima transformação "Mãe nadadora-salvadora". Preparas/dás banho, limpas os ouvidos, secas o cabelo, arrumas a roupa para lavar, arrumas a casa de banho e encaminhas as pessoas presentes para a refeição.
Na vida de mãe solteira, depois da refeição, tu arrumas a cozinha em tempo recorde, encomendas uma escovagem de dentes, um bochechar com elixir e fazes um convite para o filho dirigir-se à próxima paragem: quarto, e aí anuncias a próxima transformação "Mãe Contadora de Histórias e Cantora".
Na vida de mãe solteira tu não costumas ficar acordada, ou em grande forma, depois do teu filho adormecer. Acordas passadas três horas com o cinto vincado na cintura, os óculos na cara, a blusa enrolada em ti com duas voltas. Compões-te, amontoas o necessário para o dia seguinte e, quase em sussurro anuncias outras transformação ao mundo - "Mãe Anjo da Guarda" e voltas a adormecer.

Na vida de mãe solteira és sempre tu que acordas e te levantas durante a noite.

Na vida de mãe solteira tu programas fins-de-semana, férias, feriados e festas com a presença, no mínimo, de duas pessoas.

Na vida de mãe solteira tu és guarda-redes, inimigo, avançado, companheiro, apanhador de bolas, adversário...

Na vida de mãe solteira tu vês o teu reflexo muito claro, no teu filho.

Na vida de mãe solteira tu colocas-te muitas-mais-do-que-mais vezes em causa.

Na vida de mãe solteira tu conheces quase todos os sinais, cheiros, atitudes, locomoções, olhares, palavras, birras do teu filho... 

Na vida de mãe solteira tu nunca falhas a um sinal, cheiro, uma atitude, um andar, um olhar, uma palavra, uma birra do teu filho.

Na vida de mãe solteira és tu e o teu filho quem resolve. 

Na vida de mãe solteira uma birra é um caminho de descobertas interiores.

Na vida de mãe solteira és tu que tens de sair da "bolha", olhares-te de fora dela, olhares para o teu filho e agires. 

Na vida de mãe solteira tu és o Despertador de Vida. Sempre Pronta.

Na vida de mãe solteira tu tens a sorte de ter, SEMPRE, tudo isto nas tuas duas mãos.

Na vida de mãe solteira há SEMPRE uma Super-Mulher (mãe) e um Super-Herói (filho). 

Na vida de mãe solteira há dias em que a Super-Mulher anuncia uma outra transformação ao mundo (leia-se filho), tira a capa e o fato dos poderes mágicos e fica "apenas" Mulher.

Palmas para vocês Mulheres Mães Solteiras porque essa casa é o maior sinónimo de Amor.



(na vida de mãe/pai acompanhada/o todas estas coisas boas também devem acontecer, calculo)


  







      

2 comentários:

  1. Houve uma fase em garota (quando desenhava famílias) que me punha a mim com imensos filhos. Lembro-me que tinha de ser mãe muito nova para os meus filhos não me acharem velha e poder estar com eles muito tempo.
    De repente e não sei precisar quando passei para a fase do independente, solteira e sem filhos, que dura até hoje.
    Esta última fase vagueia entre decisão assumida de não ter filhos e agora a de "não faço questão, mas se acontecer será benvindo".
    Os teus textos sobre mãe sabura enternecem-me imenso, uma espécie de despertar do relógio biológico.
    Tens um filho lindo :)
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Linda Sandra! Somos lindos, não somos? E o meu Guerreiro então... ui, ui! Que seja uma Mãe Sabura a despertar-te o relógio biológico e que depois seja Madrinha!
      Eu não era uma pessoa que todos os pensava acerca do assunto, mas acho que não gostaria de passar por esta vida sem ter esta experiência. E só tenho a dizer bem, claro! Mesmo, de verdade! Nunca tive saudades do passado recente dele, e para mim este é o sinal de consumir a relação a 100%. Sou uma mãe mesmo MUITO FELIZ. Agora só me falta escrever um livro!

      Eliminar