domingo, 17 de março de 2013

Entre Chiado e Alcântara



Deixem-me dizer-vos que fiquei muito bem impressionada com o que acontece na Lx Factory (Lisboa). No espaço de uma fábrica agora crescem pequenos/grandes projectos. Como eles dizem é "uma fábrica de experiências". E nós fomos Sabureá-lo. Existem vários residentes (restauração, moda, design, artes, livraria Ler Devagar, Espaço Brasil, etc.) e uma zona de mercado em segunda mão. Esta última leva lá muita gente, tem bancas, charriots carregadas de roupa, malas cheias de cintos, sapatos, sabonetes,  jóias, etc. tudo em segunda mão-pé-costas-pescoço-casa. Os preços são muito acessíveis e, com alguma rapidez, se encontra um vestidinho ou uma camisa bonita. A parte que também me agradou foi a de saber que, com um contacto e 20 euros, se pode montar uma banca de venda. É uma boa solução para quem, como eu, vai mudar de casa e reduzir para metade o espaço de ocupação. Também tem a vantagem de se poder levar o carro até lá dentro. Claro que está que, domingo+sol+amigas= passeio no Chiado! Sempre cheio de gentes diferentes, famílias, gentes normais, melodias de saxofone... o meu passeio de "higiene mental" preferido! Love it! Conclusão do dia: foi um dia bem Sabureado, na companhia de uma Dream Team de mulheres, entre o Chiado e Alcântara. 

2 comentários:

  1. A uma beijo sabura que me tem oferecido flores de sabores diversos e indizíveis, que se colaram à minha pele e me deixam jovem e capaz de enfrentar o mundo, deixo um pequeno texto; li-o e ele trazia na voz o teu corpo e tenho de to entregar. Aqui fica. Acolhe-o: A estação
    Já pensaste no que sucedia se o comboio passasse pela estação sem parar?
    Quantas pessoas ficariam impedidas de chegar ao seu destino?
    Quantas passariam pelo seu destino sem lá poder chegar?
    Pois é, quem passa pela vida e não a percebe é como o comboio que não pára na estação.
    Não cumpre a sua missão, é inútil, desnecessário.
    Por isso pára em cada estação que vislumbrares, acolhe todas as pessoas que se aproximarem de ti e deixa partir as que não precisam de estar perto.
    Não passes pela vida sem conhecer as estações que surgem no teu caminho.
    Não passes pela vida sem a perceber.
    Beijo com muitíssima admiração, sempre
    Tiçanita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Continuarei a parar em estações e apeadeiros, sim! Especialmente se a viagem for feita com gente boa, alegre, cheia de vontade viver, abraços, festa, mimos e colos...
      Beijos Sabura Tiçanita!

      Eliminar