terça-feira, 5 de março de 2013

Pobres almas

E aquelas conversas que nos são dirigidas por pessoas que são verdadeiros "Dr." ou "Dra." na sua mais alta desgraça de vida?! Por norma o seu toque não é subtil, é com um certo tom de "eu estou aqui em cima do meu pescoço" e "tu que estás aí por baixo"... Para mim é deixar falar, acenar com a cabeça que sim, porque são almas pobres, não é?! "Smile and wave!" Conheço algumas destas almas. Ainda hoje uma veio até cá. Pézinhos de lã, a achar que o ataque ia ser levado até a minha jugular se esvaziar. E por norma, o que fazer com estas pobres almas, que vêm cheias de força e de raiva?! Dar-lhes amor, dar-lhes colo. Elas precisam. Foi assim que a recebi. Dei silêncio na conversação, dei amor, mostrei compreensão pelos factos revelados e ... já quase no fim, a pobre questionou a minha opinião (queria que começasse a batalha, não estava a ver reacção do inimigo) acerca do assunto. Acenei que sim a tudo, concordo. Quando a pobre alma acalmou perguntou-me se tudo o que ela tinha dito/explicado/ gritado era verdade. Respondi com verdade, tranquilidade e amor... não, o início da conversa está enganado, logo, todo o resto também... Mas como não? Não me digas que foram as X, Y,Z que baralharam tudo? Então, mas elas disseram-me que bla, bla, bla, bla... pois é, terás de falar com elas... Ai que coisa, são umas mecheriqueiras aquelas...
Acabou a conversação. Suspirei e pensei: ou estou muito cansada para me enfiar em lutas e com vontade de mudar o mundo, ou a proximidade dos "entas" e este sol abrasador faz de mim uma pessoa mais madura (com tudo de bom que isso tem). 

Sem comentários:

Enviar um comentário