Mensagens

Um abraço é um colo

Pedir um abraço e recebê-lo por inteiro é um bom colo.

Ontem pedi um abraço e recebi-o... por metade, com uns leves toques de dedos nas minhas costas, a imitar o que os adultos fazem. 

Já não o via há três anos. Ontem quando nos juntámos parecíamos dois colegas de trabalho a falar. 

"Ya Professora, aqui está tudo bem, e então desde que o J. saiu melhor ainda! Lembra-se do que ele fazia nas aulas? Até a professora O. mordia as mãos para não morder nele...E o seu filho? Nunca mais o vi nos treinos? Eu já deixei aqui está fatela, só gritam" A conversa foi-se prolongando comigo a perguntar por este e aquele da turma, pelos irmãos que passaram por mim.

Entretanto perguntei-lhe com quem estavam agora e apontaram para uma estudante minha, atual. 

"Ouve S., conta-me tudo do que a Professora C. anda a fazer convosco", disse eu em jeito de brincadeira

"Porquê? É professora dela? Olhe, nem imagina... fazes-me os cabelos todos brancos, Professora! Todos!"

"S., olha aqu…

impressão de poema

ANTÓNIO RAMOS ROSA
Uma voz na pedra
Não sei se respondo ou se pergunto. Sou uma voz que nasceu na penumbra do vazio. Estou um pouco ébria e estou crescendo numa pedra. Não tenho a sabedoria do mel ou a do vinho. De súbito, ergo-me como uma torre de sombra fulgurante. A minha tristeza é a da sede e a da chama. Com esta pequena centelha quero incendiar o silêncio. O que eu amo não sei. Amo. Amo em total abandono. Sinto a minha boca dentro das árvores e de uma oculta nascente. Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim. Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido. Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença. Não sou a destruição cega nem a esperança impossível. Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra.
 in Facilidade do Ar, Ed. Caminho, 1990


Todo o Homem precisa de uma mãe

https://youtu.be/yjxriFArvMk

“O sol, manhã de flor e sal
E areia no batom Farol, saudades no varal
Vermelho, azul, marrom Eu sou cordão umbilical
Pra mim nunca tá bom E o sol queimando o meu jornal
Minha voz, minha luz, meu som Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe O céu, espuma de maçã
Barriga, dois irmãos O meu cabelo negra lã
Nariz, e rosto, e mãos O mel, a prata, o ouro e a rã
Cabeça e coração E o céu se abre de manhã
Me abrigo em colo, em chão Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe”

Enchemos Nada, e ficamos com tudo, de nada.

Imagem
E o balão esvazia quando no Lugar está o Nada, e em parte alguma está o Tudo. 

Chegas, e há Nada. Olhas à tua volta, e lá está Tudo... e por mais que grites, o Nada da tua voz nunca alcançará parte alguma.

Nunca mais haverá Tudo no teu Lugar, é. 

Ou então teremos de reinventar um novo Lugar, redimensionar o tamanho do Tudo e do Nada, e voltar a descobrir em que parte se enche o balão.

Esvaziamos Tudo, ficamos com Nada.

Enchemos Nada, e ficamos com tudo, de nada. E nunca mais seremos Nada porque, afinal, sempre tivemos algo.


(El vacio: ANNA LLENAS)

Hemisfério Absurdo

Imagem
Há dias em que o cansaço e o desnorte é tanto que o cérebro vira para o lado do Hemisfério Absurdo, aquele entre um e outro. De "ab-surdo" que fica, deixa de ouvir a direita e a esquerda, e passa somente a pensar na desordem do "ab".

Nessas alturas, ao cérebro apetece-lhe elevar a voz do seu corpo e enviar Short Messages Service a várias pessoas, com muita desordem alfabética; por vezes, apetece-lhe enviar choques elétricos provocando movimentos giratórios sobre si mesmo - aclamados de "dança em parafuso"; outras ocasiões apetece-lhe ficar somente surdo em todos as letrinhas do alfabeto e deixar de ouvir "Apanha, Belisca, Come, Desenvolve, Escreve, Fica, Grita, Hoje, Imita, Junta, Kiss, Limpa, Manda, Não, Obecede, Procura, Quando, Reflecte, Sente, Trabalha, Usa, Vai, WTF, Xinga, Yes, Zarpa", que é como quem diz ficar "abcdefghijklmnopqrstuvwxyzsurdo"

Há dias em que este cansaço inclina o corpo para um lado e o espírito para o outro, e de…

How to save a life

Imagem
Venho do teu colo e
não sei para onde vou
Venho dos teus olhos 
e não sei do horizonte
Venho das tuas mãos
e não sei onde me agarrar
Um dia,
quando a saudade não for maior que tu,
sei que do teu colo farei o meu lugar
dos teus olhos o meu Farol
das tuas mãos a coragem
das tuas palavras a força para te elevar, Tiçanita.

Três anos sem esta “Bacorinha Desalmada” e com uma saudade mais que enorme.
Um Ser gigante, Maria da Conceição Costa


How to Save a Life


Hay Dias...

Imagem
Hay Dias...

O dia dois de abril era para mim a referência de um dia agridoce. O dia em que se comemora o nascimento de um homem dedicado às histórias e, consequentemente, um dia dedicado a um dos suportes das Histórias, o Livro Infantil.
Hans Christian Andersen foi um rapaz que se tornou poeta e escritor de histórias, sobretudo do mundo encantado de fadas. Uma infância marcada pela pobreza financeira, mas pela riqueza de um pai que, não sabendo o código escrito, inventava muitas histórias e contava-as ao filho. 
O dia dois de abril foi o dia do início desta história, agridoce. 

O dia dois de abril, tinha esta referência agridoce mas desde o ano passado, ficou marcado por uma história amarga e nada doce. Uma história triste, como as que Andersen escreveu. Uma história de vida agridoce mas rica de sonhos, sabedoria, entrega ao outro, confiança, optimismo. 
Desde 2015 contei vezes sem conta, a história "A Morte Madrinha", até que no dia 2 de abril de 2017, o telefone tocou e anuncio…