quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Maionese Airlines MA3 - Bora? Bora?

Há pouco tempo diziam-me: "ah pois é... é verdade, vocês, seres solares sofrem muito". E é verdade, acertou em cheio.
Sou um ser solar. Um ser que se dá bem com areia, calor, água salgada nos lábios, roupas leves, pés desprotegidos, malas cheias de areia, cremes pós and after sun e papéis das bolas de Berlim comidas na praia, dias compridos, noites quentes, lençóis de linho, janelas abertas, sambinha de uma nota só, tinto à temperatura local e também sou feita de muita esperança do encontro entre eu, uma areia deserta e um mar cristalino.

Por agora e para soprar este nevoeiro ... Bora, bora, bora, bora? Assim...






Depois podemos encontrar-nos aqui para a lagosta, boa?!
Senhores passageiros, a companhia Maionese Airlines, deseja-vos uma excelente viagem. Devem permanecer durante alguns instantes com os olhos neste clima e só depois iniciaremos a descolagem...

Menú (30janeiro): Frango à Ulrich


O dia de ontem começou sem se conseguir avistar o nosso pequeno Redentor e terminou com ele de braços cruzados. Há dias em que, quem espera desespera e até Ele, grande senhor, está a ficar irritado e sem esperança.

E quando as luzes da cidade lhe chegam, de forma a abençoar as ninfas do Tagus e suas terras, eis que chega também o Senhor Ulrich a nossas casas. A hora é a do jantar e o efeito foi o de não jantar. Não gostei, nem das palavras que ele escolheu, nem do tom que utilizou. Oh Sr. Ulrich, mas V.Exa pensa que eu vou ficar muito mais feliz de ouvir que o seu BPI apresentou lucros e lucros, e ao mesmo tempo me manda a mim ser optimista porque se o gregos conseguem, nós também conseguimos. Fez-me lembrar as conversas de "pescadinha de rabo na boca" que nós tínhamos naqueles tempos antes da Troika... "o meu pai é muito mais giro que o teu!", "não é nada, o meu é que é", "não, não é... o meu é 10 vezes mais giro que o teu!", "Ahhh é? e o meu é 400 vezes mais bonito que o teu!" , "E o meu...o meu é 40 mil vezes mais bonito que o teu...tomaaa", "Ai sim? e o meu é infinitas vezes mais bonito que o teu" e vai-se a ver um e outro e... benzá deus!

O Sr. Ulrich entrou na "pescadinha de rabo na boca" e só lhe faltou dizer... "Grécia...toooomaaaaaa". Deixe lá os Gregos sossegaditos, e mande cá para fora umas medidas que, em boa verdade, engordem o nosso PIB e os bolsos de quem precisa...

Por mim falo... a esta altura do campeonato não preciso que me venham lembrar que o meu vizinho está bem pior que eu. Não me adianta de nada, não me dá alento - antes pelo contrário, não me convence que, o que andam a fazer por cá seja bom.

Se quiserem saber mais acerca das palavras que me pararam o jantar durante 3 minutos, podem ir aqui

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Dia 29 de Janeiro


E se uma das razões do "Beijo Sabura" existir é obrigar-me a, todos os dias, descobrir um pequeno nada especial... os de hoje são bem leves, pequenos e quase insignificantes, como bem queremos!

Dia 29 de Janeiro... o São P. (para não dizer nomes de pessoas governantes/feias) deu tréguas e o Sol venceu. 

Dia 29 de Janeiro... fiquei tão feliz quando, ao conduzir, voltei a ouvir o assobiar do vento! Há quanto tempo não andava de janela aberta no carro! 

Dia 29 de Janeiro... fiquei tão feliz quando voltei a sentir calor na rua! E tanto, ao ponto de pensar "está na altura de deixarmos as "ovelhas da Serra" de lado e passarmos às "cabrinhas Caxemira".

Dia 29 de Janeiro... fiquei tão feliz porque senti cheiro a Primavera! 

Dia 29 de Janeiro... dei uma aula acompanhada com cinco gaivotas e oito Guerreiros do Arco-íris!

Dia 29 de Janeiro... fiquei com um sorriso porque, pela primeira vez na vida, ouvi chamarem-me "Patroa". Não era um meu empregado, e nem o vento diz isto assim. Era somente o cantoneiro da Câmara a querer vender-me os seus serviços particulares de jardineiro e a querer envergonhar-me pelo aspecto selvagem dos canteiros cá do Condomínio... "Oh Patroa, isto ficava mesmo bem era cortadinho, n'era?! Mas... (e faz aquele esfregar entre dedo polegar e indicador). Pois é, pois é... é que ficava mesmo bonito, Patroa". Já valeu pelo "Patroa", deixe lá o resto que a malta gosta de apreciar os ciclos da natureza!



Are you crazy enough?


No, I'm not crazy enough...





Mas hei-de lá chegar !

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

São voltas e voltas

-Filho, agora é sesta!

-Não tenho sono.

-Mas porque é que tu achas que és a única criança no mundo a não precisar de dormir?!?!?

-Porque eu nunca tenho sono, é só isso.

-Ok, então vais descansar os olhos.

-Sabes onde é que se faz isso muito bem? No sofá!

-Não.

-Posso descansar os olhos e estar sentado?

-Não. 

-Posso estar deitado e com os olhos abertos?

-Não.

-Okeiiiiiii, então eu fico deitado a descansar os olhos.

....

-Mãe, podes fechar bem a porta do quarto? É porque a luz que entra está a magoar os olhos e assim não consigo descansá-los.

- Okeiiiiiii

....  passadas duas horas e antes de eu fazer uma festa pela bela soneca que se apoderou dele....

-Mãe, ouve uma verdade que vou dizer... eu só estive a descansar os olhos, não penses que me deixei dormir.

- Hum, hum...


Innamorati


A poesia não é fora...é dentro

A poesia és tu

Para fazer poesia só uma coisa é necessária... tudo



(Faz muito tempo que nos conhecemos e ainda não encontrei a palavra certa que te define. Prefiro deixar que as tuas palavras se colem à minha pele e que, ao raiar do dia, o meu corpo continue tatuado por elas) 


domingo, 27 de janeiro de 2013

Chegou o tempo dos corações




Está a chegar o dia do encontro entre a melhor comida, a melhor bebida e os melhores corpos, ou tudo isto em versão “o melhor que se pode”... o dia do senhor Valentim e da Dona Marta.
Está a chegar o dia em que o mundo se transforma num imenso coração vermelho. Tudo fica vermelho: montras, outdoors, capas de revistas, relógios, perfumes, xuxus e courgettes, t-shirt... tudo cheio de corações. Cá por estes lados, também vamos vestir a indumentária certa, ter a melhor comida e bebida, esquecer o marketing agressivo e saudar o dia do auto-namoro e do amor...
Mas o melhor desse dia é o aniversário da minha grande “irmã corage”... e esse sim, vai ter muitos corações coloridos, black and white, vintage style, pirosos, cheios e poderosos... muitos corações para dar, receber e armazenar muito amor;
muitas mãos para agarrar sonhos e amparar quedas;
muitos braços para embalarmos os nossos dias;
muitas pernas e pés para continuarmos a dançar e a caminhar;
muitos narizes para continuarmos a gravar na memória todos os cheiros que rodeiam os nossos dias;
muitas bocas para continuarmos a saborear um sushi, torradas com manteiga, belas bifanas de seitan, muitos tintos à temperatura certa, muitos Santini e sobretudo, muitas palavrinhas doces, sábias, loucas, desacertadas do tempo dos outros, secretas;
muitos olhos que tudo veem na maior escuridão dos dias;
muitas memórias coladas na pele
e muitas esperanças que nos constroem...

Desta forma, o Dia dos Namorados é eternamente feliz e pode ser decorado com milhares de corações que batem forte, e que, em cada batida nos ensinam a amar em liberdade. E só nós sabemos o que queremos do nosso tempo e da nossa amizade... que seja infinita enquanto dure.

Viva O dia dos corações!

sábado, 26 de janeiro de 2013

O show tem de continuar...

Há dias em que nem um conjunto de pessoas, nem um conjunto de palavras, nem de olhares nos valem... só um conjunto de notas nos levam a continuar o show !!! Estas servem exactamente para isso!




Sincronização




E quem não gosta daqueles banhos quentes em que passamos de "estado líquido" a "estado escalfado" e depois "estado cozido"?!
Esta semana o corpo pediu e eu obedeci. Andamos a escutar-nos mais atentamente, não queremos chegar à Primavera de costas voltadas um para o outro. Tudo no seu devido lugar. 
"Escutarmo-nos" não é um exercício fácil, sobretudo com o ruído que temos à nossa volta e com a poeira que levamos às costas. Para mim, o exercício mais básico desta "escuta" é permitir-me a, conscientemente, respirar fundo e libertar algum lastro do dia-a-dia. Só isto... suspirar profundamente. 
Quando encho o peito de ar tenho consciência de que, depois, a sua descida será em grande velocidade e na cadência certa, entre o eu e o mim! E isso é respeitinho do bom e do bonito!
(depois desta leitura vai um suspiro........)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Notícia Sabura

A ciência avança, as medicinas avançam, as técnicas avançam, os instrumentos vão sendo cada vez mais sofisticados (excepto a horrível sensação de arrancar um dente!). Mas não é de estomatologia que se trata esta notícia sabura... A boa notícia é sobre um instrumento ergonómico, criado na Austrália, que servirá muitos Pituquinhas acabados de nascer e que, por força da vida, têm de ficar longe dos braços de quem os ama.

Ainda anteontem li no jornal Público online a questão da influência da prematuridade e do baixo peso, nos números da mortalidade neonatal e, por experiências próximas, tenho a MAC como um grande exemplo nos Cuidados Neonatais. É verdade que, com o avançar do seu fecho ficamos a pensar nas nossas crias e para onde vai todo aquele pessoal tão humano e capaz e para onde vão as suas experiências.

Na Austrália, uma mãe médica, teve um filhote que permaneceu durante cinco meses numa incubadora. Devido a este novo rumo de vida para o seu filhote, ela criou as Zaky! E o que são?

"Zaky" são estas almofadas ergonómicas. São um projecto que surge a fim de imitar o conforto de um colo, das mãos de quem cuida, tão necessários nos cuidados de desenvolvimento neonatal e na maturação cerebral. São utilizadas com bebés prematuros, de forma a promover amor, conforto e protecção e que tinham de estar longe da mãe no hospital. 

É uma maravilha ergonómica que vem humanizar aquelas caixinhas de angústia e coragem! Permitem o "toque" da mãe, o cheiro (basta dormir com ela uma noite para entranhar o nosso cheiro) e o calor (ao contrário de nós, ela vai ao micro ondas para aquecer e permitir que os bebés sintam o "nosso calor"). 

Estão disponíveis em cinza, creme, azul e cor-de-rosa. São um pouquinho caras e, pensando nas origens da sua criação, era bom que nenhum de nós tivesse necessidade de as utilizar. De qualquer forma é uma boa notícia e para saberem mais passem por aqui e por aqui

Eu só queria sugerir o fabrico de umas em preto ou bordeaux, para pessoas com 1,72m... pode ser?!









Encontrei a notícia Sabura "Zarki" neste blog: Pais de quatro


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Terras quentes em melodia

Nunca são precisos muitos motivos para a festa. A terra árida -que num minuto se torna verde-, o ar quente, a água do mar e o fogo das suas gentes dão-lhe a combinação perfeita para que haja sempre Festa!

Terras de Sabura! 

Andava a chamar-me, mas como nunca fomos apresentadas formalmente, o seu nome escapou-me. Várias vezes me lembrei dela. Vários foram os momentos que ela ilustrou na perfeição. Vários foram os movimentos que ela provocou e ondulou. A nossa amiga comum, a Catarina, encaminhou-nos até ao pontão. Olhámo-nos, afinámos os sentidos, e deixámos os nossos corpos embalarem-se na mesma cadência...assim...


Obrigada, Catarina!

Viagem na Maionese MA2 - Maldivas

Senhoras e senhores devido às condições climatéricas oferecidas pelos deuses, a Maionese Airlines esteve, temporariamente, impedida de voar. 
Apresentamos o destino Maionese de hoje: Maldivas, mais concretamente o Viceroy Hotel Sand Resort

"All a board" da viagem na Maionese

Lá ao fundo, e de forma discreta, estamos nós num passeio de reconhecimento ao local
Waiting, waiting, waiting 
Nesta Villa o complicado foi o barulho 

A residência

O Spa


A Maionese Airlines agradece aos deuses as condições climatéricas de hoje e deseja que continuem em modo Sabura!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Música Sabura


Há dias em que o nosso colo precisa delas... hoje é o dia

Telealmoço Fleming




Ranhoca+ranhoca+ranhoca+ranhoca+ranhoca+ranhoca+placas brancas na garganta+penicilina = dia de telealmoço em casa, com o Pituca.

Rais parta este tempo e mais o que ele traz. Não era altura dos béri-béri desandarem e levarem o frio com eles?!

Senhor Coelho, é preciso que o país não pare, mas explique lá a diferença ao seu amigo Pedro. Mais...vocês não são os Maiores, por isso devolvam o seu, a seu dono! 

Senhor Fleming... muito obrigada aqui de nós!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Haja sol e eu serei bem mais feliz!


E o que eu fico feliz porque às 17.30 ainda vejo Sol e luz ?!
E o que eu fico feliz nos dias em que o Sol me acompanha até à ceia?!
E o que eu fico feliz por, diariamente, me sentir em contagem decrescente, em direcção a um diário cada vez mais crescente?!
Sua benção, Sol... que eu assim sou bem mais feliz !

Não falemos de coisas menos sabura mas... já dávamos um corte no orçamento do senhor inverno


domingo, 20 de janeiro de 2013

Sábado de vendavais

Sérgio Niza, no Sábado Pedagógico do
Movimento da Escola Moderna (19 janeiro 2013)

Hoje foi dia de vários vendavais. Vendaval na pele e na memória.

O dia começou cedo e cá fora tudo bailava, não percebi bem o ritmo da dança, só sabia que não era nada calmo. Eu desconfiava que o vendaval não ia ficar por ali... bem dito, melhor feito. Avisei o Tico e o Teco para estarem alerta porque o momento exigia que todos os nossos poros estivessem permeáveis.

Lá fora e cá dentro o alerta era vermelho!
O vendaval que me sacudia a pele, que me partia dois guarda-chuva e que me encaracolava a cabeleira teimava em incomodar e permanecer. Por outro lado, o vendaval que me sacudia a memória tinha como nome Sérgio Niza, e as palavras que serviam de mote à tempestade eram: “De onde vem a política dos resultados escolares e como enfrentá-la”. As palavras certas para formar um redemoinho, um tsunami, um furacão na nossa mente. Assisti ao Sábado Pedagógico, organizado pelos núcleos regionais de Setúbal e de Almada/Seixal, onde também comunicou este grande pensador da educação, de uma sensibilidade extrema e fundador do Movimento da Escola Moderna. Ao longo do plenário senti-me uma privilegiada por estar perto de tantos profissionais da educação tão válidos, conscientes, empreendedores, lutadores e apaixonados. Sérgio Niza banha-nos com uma lição de história acerca da “Docimocracia” um termo utilizado por Rui Grácio, que nos fala acerca do poder exercido pelo governo, sobre nós, através das provas e exames. Fala-nos também sobre a “Meritocracia” e do que o despacho normativo nº24-A/2012 Despacho Normativo nº24-A que regulamenta a avaliação no ensino básico e do que o seu artigo 10º (Avaliação Sumativa Externa) permite aos professores, na questão da avaliação. Há leis que contém frinchas e funcionam como janelas entre abertas que ainda ninguém (leia-se governantes) deu por elas. Ainda permite porque, nos dias que correm muitos professores são “convidados” a prevaricar a lei, a educação. Quando os Cratos derem por estas janelas de oportunidade, de certeza que as retificarão e recuaremos mais uma década na escola. Sérgio Niza, no seu discurso em tom sábio, avisa-nos que é o cidadão que responde à lei, e não a escola. E que, se esta nos obriga a prevaricar a lei, então que peçamos uma declaração à escola em como nos estão a obrigar a ser delinquentes! É bom sentirmos que estamos juntos, que temos mais gente ao nosso lado a defender uma verdadeira educação e a dar-lhe sentido. Já quase no final registei estas frases ditas pelo Sérgio Niza:

“Os nossos alunos têm direito ao ingresso e ao sucesso.”

“Nós, educadores profissionais, somos intermediários do passado e da cultura. “

“ Ser um Educador profissional é uma profissão de ética e cidadania.”

Depois deste vendaval seguiu-se outro, a Inácia Santana a comunicar sobre “Iniciação e desenvolvimento da escrita”. Ouvi-la falar acerca do primeiro ano, da leitura e da escrita e do seu trabalho fez-me sentir, de novo, o quanto eu sou uma privilegiada e o quanto me sinto em casa, junto deste povo.

Quando cheguei a casa fui buscar o livro do Sérgio Niza “Sérgio Niza escritos sobre educação" (2012) da editora Tinta da China onde, na décima sétima página, podemos ler a seguinte afirmação do autor:

            “Ou a nossa escola é, por aspiração, por esforço, uma construção permanentemente ética e democrática, ou não teremos nunca uma democracia. É este o caminho que perseguimos: caminho duro, perturbante para muitos. Por isso muitos desistem, porque não querem ter tanto trabalho com uma profissão que é tão dura, tão violenta. Para nós, ética, pedagogia e democracia são exatamente a mesma coisa. Daí esta exigência que nos impomos

Diferenciação, cooperação, diálogo, formação, trabalho, empenho... é isto que eu tenho muito presente no Movimento da Escola Moderna e o que aprendo com ele. Neste dia de vendavais sinto que nada o vento levou... tudo o vento me trouxe!

Música Sabura

Olha aí  tão Sabura...

Olha aí, monsieur Binot
Aprendi tudo o que você me ensinou
Respirar bem fundo e devagar
Que a energia está no ar

Olha aí, meu professor,
Também no ar é que a gente encontra o som
E num som se pode viajar
E aproveitar tudo o que é bom
Bom é não fumar
Beber só pelo paladar
Comer de tudo que for bem natural
E só fazer muito amor
Que amor não faz mal
Então, olha aí, monsieur Binot
Melhor ainda é o barato interior
O que dá maior satisfação
É a cabeça da gente, a plenitude da mente
A claridade da razão
E o resto nunca se espera
O resto é próxima esfera
O resto é outra encarnação!

(Maíra Freitas)

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Channelices


Eu sabia que isto ía acontecer... o Zico encarnou o espírito da Pepa e desde então a rapariga tem sido apanhada em poses "desquesitas"

(originalmente visto aqui)

O meu irmão é proprietário de hectares de terra paradisíaca



Vindo de longe chegava mais um convidado. O Tó resolveu viajar até outras paragens, à boleia de um tumor nos pulmões. Desta vez ninguém viajou na "Maionese Airlines", toda a tripulação ficou a assistir à viagem do Tó, mas eu sei para onde ele foi, quem o recebeu e como...
Tendo poucas certezas na vida, e muitas menos na morte, há uma que se foi colando ao corpo, ao longo dos anos: a de que o meu irmão é o proprietário de hectares e hectares de terra paradisíaca! Sempre que alguém decide ir visitá-lo eu imagino-o a organizar grandes festas para receber quem chega. Ontem, quase de certeza que com ele, ao portão, estavam as suas cadelas preferidas (a Fusca e a Jade) a fazer a recepção; na cozinha da herdade estava a avó Etelvina a preparar uma comida especial - porque as avós fazem sempre comidas especiais para os convidados; o avô Mário estava à lareira a dar a benção, a contar histórias do campo e a picar a paciência à sua amada Etelvina; estava a avó Albertina a oferecer  "um café e um pãozito com queijo" ao Tó; estava também a Cesária a cantar uma morna e o Vinícius tocando violão. O Tó chegou com três flores de couve, colocou-as na jarra que acolhe os novos convidados, e sentou-se à mesa. Uma grande mesa onde se iniciam as festas que duram uma eternidade!
(também sei que o Miguel estava a ressacar por um cigarro e que o Tó lhe levou um no bolso!)

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

666 visitas merecem "música sabura"

666 é o número de visitas ao recém nascido! 

Obrigada a todos. Thank you all. Gracias a todos. Dank an alle. Grazie a tutti. Obrigada States. Obrigada Alemanha. Obrigada Cabo Verde. Obrigada Holanda. Obrigada Reino Unido. Obrigada Espanha. Obrigada Portugal.

A ilustrar esta data deixo-vos com "música sabura", que cá em casa tem um início um pouco diferente. Começa assim pela voz branca do filho...

"O meu iphone
tem um jeito manso 
que é só seu...
e que me deixa louco,
quando não carrega a aplicação
e a minha pele fica toda arrepiada"

(desculpa Chico...modernices)