quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Caminho

Voltar ao mesmo lugar passado um ano. Ao mesmo lugar? Impossível. Voltar? Impossível. Pelo lugar passaram chuvas e ventos diferentes, borboletas, formigas, animais e por aí. E quem passou por lá carrega agora outras histórias e memórias. 
Nunca volto ao mesmo lugar, mas chego sempre ao sítio onde o destino me faz voltar. E enche-me a alma tornar a visitar a mesma sorte. Há tantos Caminhos para trilhar, e o mais fascinante é que Todos vão Lá dar. E os Caminhos servem para fugir ou para chegar? Para perder ou para encontrar? 


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Follow those words >>>

                                               



 Dá e esquece. 

 Recebe e lembra. 

                                                   

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

À segunda-feira

À segunda-feira, os primeiros cinquenta minutos de olhos abertos são o delírio neural. São uma espécie de Avenida da Liberdade, em hora de ponta! Pensamentos e pensamentos engarrafadas em canais estreitos. Ideias e ideias a florir os canais. As sacanas das obrigações a policiar os canais. O toque do despertador que apita exactamente como sinal sonoro para os invisuais nas passadeiras. E a sacana da torrada queimada a chamar nomes e a dizer asneiras àquele tráfego tão intenso. Tendas e barracas armadas no sistema nervoso central, é a Primeira-feira da semana.  

Um vestido e um amor, Caetano

Às vezes as explicações são desnecessárias... 



domingo, 26 de janeiro de 2014

Ficas ou vais?

Dois seres masculinos digamos que... de ar buéda fixe, a passear à minha frente

- Então se puderes vai ter com ela, bacano. Vai lá...
- 'tás parvo? eu sei ca gaja tem namorado, pá.
- Ya... e?
- E o quê? Achas qu'eu curto andar aí com as miúdas dos outros, bacano?
- Se ela for do outro nem vai olhar p'ra ti, mano
- Eh lá men cag* lá nisso... há tanta miúda boa por aí
- Ya mano, mas as que fazem história são só as que dão luta. E essa 'tá-te a dar bueda luta.
- Népia se ela curtisse de mim, ela já tinha topado. Não sou totó.

Ora pois é! E aqui fica o diálogo de dois jovens, com cerca de quinze anos de vida, um estilo buéda cool e muito para experimentar. E então? Lutas? Desapareces? Vives? Há muito mais? Há alguém que mereça? 


Pelas ruas por onde hoje andei

Pelas ruas por onde hoje andei, encontrei o que precisava. Nao pisei pedra errada, nem ninguém me atropelou. Pelas ruas por onde hoje andei, encontrei portas abertas, janelas oferecidas ao sol e tudo era plano. Ruas limpas, sem guetos ou declives a dificultar a caminhada. Ruas definidas pelas raízes dos sobreiros, o brilho da seara e o branco caiado no chão. Não encontrei nenhuma bifurcação, nem semáforo fechado. Pelas ruas por onde hoje andei, apenas vi e senti, o que é fazer caminho no verdadeiro Amor da Amizade. É o caminho certo e eu, hoje, dei com ele!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Andas às voltas e depois torces o pescoço...

O dia não correu mal, apenas existiu de forma torta. Uma forma literalmente torcida. O  de ontem acabou com a conferência acerca dos TPC (aquela de que vos falei aqui) e com uma tremenda dor de cabeça que degenerou num tremendo torcicolo. Talvez por ter andado o dia todo torcida e a pensar na palavra "torcicolo", neste final de dia apetecia-me um colo para o pescoço. Um sítio onde pousar o Meu espaço intermédio entre a razão e o coração. O lugar que, às vezes, precisa de um empurrão para decidir entre o "descer ao coração ou subir à razão"... a "Zona Proximal de Mudança", como ontem o Professor José Morgado falava. 
Voltas e mais voltas à cabeça para construir uma forma de explicar o básico e de fazer com que a construção seja de todos. 
Para que lado destorcerá o pescoço e que volta levará a vida?!

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Música Sabura

Gosto deste canto arejado e clean da blogosfera. "Às nove no meu blogue". Soa-me sempre a música tranquila. Vejo-o sempre em tons de branco. Cheiro-o sempre a panquecas e a campo. 
Gosto de passar por lá. Tem sugestões de sítios maravilhosos, belas fotografias e pensamentos positivos. Hoje, quando abri a porta do seu quintal, estava lá este casal... e eu fiquei por lá!


Mistérios da Educação

Se lhe tivessem chamado "Ministério da Formação" toda a gente achava que os professores deviam formar os seus cidadãos, mas chamaram-lhe Ministério da Educação... e toda a gente se engana, pensando que os professores devem Educar os seus cidadãos. Lembro-
-me do título do livro da Maria Alberta Menéres "O poeta faz-se aos 10 anos" e da frase que, salvo erro, disse o Rui Veloso (ESE Coimbra) " Se eles não estiverem formados poetas aos 10 anos, já ninguém os forma". E é mais ou menos isso que se passa, entre estes dois Ministérios, ou melhor, entre estes dois Mistérios!

Métodos de leitura: pa-pe-pi-po-pu ou Amor?!

Não sou moralista em relação aos métodos de ensino da escrita e da leitura. Quer dizer, já fui mais! Agora colecciono uns anos de ensino no 1º ciclo, uns anos de pais e de grupos. Eu própria já aprendi a escrever e a ler e agora, tenho um Guerreiro de Voz Branca no 1º ano, e neste momento já lê tudo e escreve. O método foi o global, mas sobretudo teve base no Amor. Amor e Respeito pela/da professora. E antes disso teve o método da audição de histórias, de passear na rua, de visita a exposições, de ver as pessoas que ama a ler...
Eu aprendi a escrever e a ler. Vocês também. Muito possivelmente, a maioria de nós aprendemos com o vulgar "pa-pe-pi-po-pu" (analítico-sintético) e não morremos com isso. Não morremos mas estivemos perto do abismo, garanto-vos! Neste momento sabemos que é o método mais anti-natural que existe para uma criança aprender a ler e a escrever. Em nada acompanha as pessoas que vivem neste século e que estão agora a começar a juntar as "letrinhas". Não dá resposta à curiosidade, não acompanha o que se passa no mundo e daí ser, para mim, quase um crime continuarmos com ele. Existem tantas outras formas, mais divertidas, mais facilitadoras de ensinar. E sobretudo, com mais sentido. Como é que eu posso dizer a uma criança que agora, em Janeiro, ela só conhece a,e,i,o,u,p,t,l,m +ditongos (não sei se mais) se, quando ela passa na rua ela já lê tanta coisa?! Mas isto é tema para uma tese de mestrado! Por hoje fica o registo de uma turma, onde é utilizado este método de leitura, e de uma reunião de pais. Uma escola TEIP (Território Educativo de Intervenção Prioritária) onde a professora (1º ano) anuncia aos pais que ainda não sabem/perceberam a parte da Língua Portuguesa e da Matemática:

- "Todas as semanas nós aprendemos uma letra nova e um número. Vamos na letra D e no número 6"

(Pensamentos começaram a vaguear entre o Tico e o Teco! OIi?! Como?! Também tu Belzebu?! O quê?!?! Vão no 6?! Em Janeiro, crianças com 6 anos muuuiiitto vividos, vão no 6?! Só ouviram a professora falar/trabalhar até ao 6?!
O quê?! Uma letra por semana?! D?!)

- "Até vos mostro a ficha que fizemos hoje do D"
Os pais olham para uma ficha cheia de desenhos da letra D, manuscritos. Diz um pai, com aspecto e idade de avô:
- "Oh professora, não acha que este D é um demasiado desenhado?!"

(E dentro de mim uma luz se acende e os meus neurónios cantam Glórias!)
- "Pois pai, é obrigatório saberem assim, é desta maneira que vem nos manuais!"
- "Mas está a perceber a minha pergunta? Não acha demasiado desenhado? Isto não é nada fácil fazer!"
- "Pois, mas é o que está nos manuais e até ao 4º ano eles podem ir treinando!"
- "Eu só falo nisso porque tenho dois filhos formados e toda a gente sabe que o tipo de letra não é importante. E era melhor escreverem mais, porque estão a aprender"

(e neste momento o sol brilhou à volta daquele pai, naquele contexto! Brilhante intervenção! Brilhante! E eu com a alma a sorrir)

- "Pois, eu percebo... mas é o que está nos manuais!"

De facto, entre escolher o método de leitura e o amor de um(a) professor(a) eu opto pela segunda. Mas custa-me tanto esta mania da justificação do manual, da segurança aos pais, da exigência do ministério...
Custa-me tanto que lhes cortem a curiosidade da leitura pelo mundo. Mas só desculpo, porque acredito que esta professora, tal como a minha, o façam com muito amor e respeito! E esse é o melhor método, sem dúvida!





terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Do tempo que aí anda...

Venha de lá o verão que tenho o corpo encolhido e  o espírito encharcado em água com tanto frio, vento e chuva. Este inverno aprisiona-me os músculos da alma e eu sei que, só esticada ao sol, é que ela volta a libertar-se. 

Sonhos adormecidos

Sete da manhã e o despertador tocou... as forças malignas da almofada obrigaram-me a virar para o outro lado. E a facilidade com que o fiz deram-me direito a férias! Direito à vitória! Ganhei umas férias com o meu amor, numa cidade e numa praia que só conhecia em sonhos acordados. Quarenta minutos adormecidos que me valeram o despertar em alegria. Sonhos adormecidos em regime de pensão completa! 
Maldita contagem de tempo que, às vezes, me derrota o Tempo e me vai cortando as pernas para ir atrás da vitória!



segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Bolsos rotos

Todos os gestos, do mais valioso, ao mais insignificante pareciam cair-lhe em bolso roto. Só mais tarde soube que era um Mestre de Amor e que até gostava de coleccionar sorrisos. Nunca o Abracei (o único abraço dado aconteceu num dia muito triste e, por isso, nunca o retive no lado B da memória - o Bom) até  chegar o dia em que descobri, que nos seus bolsos reinava "surpresa", "dedicação", "amor", "afecto". Durante toda a minha vida sempre soube que aqueles bolsos tinham que ter um fundo, mas via-os sempre fechados. Tinham um ar falso. Hoje confirmaram-me que sim. Os bolsos não estão fechados, não são de fantasia. Os bolsos dele têm um fundo, estão bem cosidos e lá dentro cabem, pelo menos, duas mãos dadas. Hoje relataram-me a forma como o meu Pai chorou e fez chorar uma equipa de pessoas, ao fechar o negócio do meu futuro "ninho". 

Your beautiful :)


Sugestão de caminho: a Patrícia Reis

Ontem, no canal RTP2, ouvi falar dela e ouvia-a falar. Não a conhecia, acho nunca ouvi falar dela, nem nunca ninguém me falou. "Inculturisses" minhas, de certeza! Patrícia Reis. Afirma-se jornalista, e nunca escritora. Ao que ouvi, e ainda nada pesquisei na net, começou no jornal Independente e agora está na revista Egoísta. Gosto! (muito, muito da revista!). Durante a entrevista ora a vi descalça, ora a vi em cima de um sofá de pele, a dar festas ao cachorro, ora a vi com muita pinta no seu office. Gosto! (gosto desta versatilidade e das mulheres que, pelo seu charme, ficam bem de qualquer forma). Durante a entrevista ouvi-a dizer que não gosta do termo escritor profissional. Gosto! (e sobretudo da justificação apaixonada que deu). Falou dos seus filhos, dos desafios colocados por eles e da atenção que lhes dá. Gosto! Durante a entrevista ouvi-a falar das virtudes de viver num bairro arejado. Gosto! (sobretudo da partilha das chaves com os vizinhos, que a mim me faz tanto sentido!) Durante a entrevista ouvi falar de um livro que escreveu para o seu filho e da memória. Ui! Gosto tanto! Pareceu-me uma mulher arejada, sem rodeios, nem sorrisos falsos. Gosto! A partir daí foi um salto até ao "Facebook" com um pedido de amizade por admiração. 
Gosto desta sensação de descoberta de pessoas. E sobretudo quando existem ali umas palavrinhas comuns, que são ditas em mundos tão diferentes!
Vou partir à descoberta... o título do livro que retive foi "Por este mundo acima", o retrato de uma catástrofe ocorrida em Lisboa vista pelo "Eduardo", um velho editor de livros, que é o timoneiro desta viagem.
Sofro do mal de ser "naif" nos relacionamentos (com tantas vantagens e tantos desgostos), acredito na verdade das pessoas. E, não sei porquê, acho que estou no caminho de uma boa descoberta. 

(entretanto descobri o seu blog: http://vaocombate.blogs.sapo.pt/)

Aula aberta Trabalhos De ou Para Casa, dia 23 janeiro 2014 Instituto Piaget (Almada)

E no seguimento deste Manifesto vamos ter este debate com o Professor José Morgado (ISPA).

Gostaria de vos ver por cá. Este vai ser um mini-espaço (porque toda a gente vai queres expor a sua posição, drama, alegria, postura...) para falarmos acerca da realidade Trabalhos De ou Para casa. Não podemos continuar a falar no "corredor", contra professores, metodologias, etc. Há que reflectir. As ondas de choque que nos atingem, atingem sempre as pessoas à nossa volta! Se ouvirmos um especialista, que já deu muitas cartas na área da Psicologia Educacional, podemos certamente ter mais argumentos para construir a nossa opinião. Poderemos também chegar mais longe enquanto educadores (leia-se pais, professores, educadores, familiares, amigos...).
O debate será uma Aula Aberta, de entrada livre, na Escola Superior de Educação Jean Piaget(Almada) - (paragem "Pragal" comboios da Fertagus; junto ao Hospital Garcia de Orta, Almada).
Dia 23, quinta-feira, às 18h!
Aos amigos jornalistas sugiro uma reportagem de investigação acerca deste tema! Aos professores que venham dar os seus testemunhos e soluções! Aos amigos com filhos que venham ouvir o que há de bom e de mau neste tema. 


sábado, 18 de janeiro de 2014

Acordo Sentimental com as Palavras

Há pessoas a construir um acordo ortográfico e a destruir um harmonioso acordo.

Há palavras que merecem muito do meu respeito e têm muita da minha admiração. Admiro-as porque ditam exactamente aquilo que quero palavrear. Admiro-as porque podemos parti-las em pedaços e delas surgem duas ou três novidades. Admiro-as porque elas escondem milhares de segredos. Admiro aquelas com as quais posso brincar.  Admiro ainda mais aquelas que são apanhadas desprevenidas pela boca das crianças. Admiro aquelas que se colocam à minha frente e me indicam o caminho até outra. Admiro aquelas que inventam novas palavras e aquelas que inventam novos significados. Admiro aquelas que brinca consigo próprias e não se levam muito a sério. Admiro aquelas que repetidas várias vezes ao minuto provocam um tremor de pele. Admiro a sua simplicidade e verdade. No fundo, gosto de palavras que passeiem pelo meu quintal e que me fiquem a admirar! Quando cativamos temos de cuidar. É o que faço com elas. E no meu cuidado continuam a Ser Senhoras! Continuam a ser escritas com uma letra maior, as palavras mais exigentes... Amor, Primavera, Outubro, Dezembro, Ser, Guerreiro, Me, Te... São cuidados muito pessoais que ninguém entenderá, mas também não destruirá, tenho a certeza. Todos nós temos estas Senhoras Palavras coladas à memória. Todos nós as Acordamos sempre que precisamos de sentido, e isto ninguém conseguirá adormecer em mim.

Hoje, cá em casa, caíram umas desprevenidas na boca das crianças... 
"Então, "Saramago" é "Sara" "Mago"
"Ana não é divertido porque ao contrário lê-se Ana"
"Vê se percebes o que digo "Dia Ana" - Diana, tem Dia e Ana"
"Joana, Mariana, Adriana, Diana tem Ana"

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Momento Sabura

Hoje descobri que não estou a ficar louca e que não ando a deixar o aquecedor ligado, todos os dias, no meu sagrado espaço de trabalho! Começava a duvidar de mim própria. Afinal é a Dona São que o liga, quando anda nas suas limpezas, para a Ritinha estar mais confortável quando chegar! É mimo, muito mimo!


O C. não dorme a sesta como o C. Ronaldo


Esta semana, em reunião na escola, tive de "mentir" e dizer ao C. que os professores, os médicos (inventados na altura da conversa) e a mãe tinham chegado a uma regra boa para ele. A regra era "Não ver televisão, ou jogar computador, ou pintar no "tablet", ou jogar na play station depois do jantar"
A mãe esfregava as mãos de contente porque tinha encontrado a desculpa certa. Sim, desculpa, porque ela não consegue fazer nada dele, e ele fica acordado até às 23.30 a jogar... ele que tem sete ou oito anos!
Eu, enfiei os meus olhos nos olhos dele, e expliquei-lhe todos os perigos da situação actual e os benefícios daquela regra, no futuro. Eu, agarrei-lhe a mão, e perguntei se ele achava que eu deixava o meu filho fazer aquilo. Eu, passados três segundos, só o via chorar, chorar, chorar. 
"Mas não posso fazer nada?! Nada?!"
"Nada de eletrónica. Só podes ler livros ou revistas, pintar em papel!"
"Buáááááááááááááááá!!!!"
A mãe olhava e comentava "Estão a ver?! Depois é esta choradeira. Percebem? Eu não consigo fazer nada dele - e não consegue". Aquela mãe não consegue fazer nada dele, nem dela. Infelizmente.
Fomos para casa, os professores, sem grande esperança do acatamento da regra (por parte de mãe e filho). Hoje, quando me viu no corredor, perguntou-me se íamos ter aulas de Histórias. Respondi-lhe que não. Só na quarta-feira. Imediatamente a seguir pergunto-lhe se a regra está a ser cumprida. Diz-me que sim com a cabeça e começa a chorar. "Há regras que doem mas fazem bem à saúde" foi o que pensei. 
"Então C. ?! Vai fazer-te bem. Tu podes ver os jogos até ao jantar, depois disso não podes para protegeres o Sono e não deixares que esses monstros entrem nos teus sonhos! Até o C. Ronaldo dorme a sesta! Não continues a ficar triste por isso Eu ajudo-te. Blá, blá, blá" ... 
"Não é issoooooooooo - entre ranho, lágrimas e bába - é tudo contra mim, tudo contra... até tu hoje não me vens dar aulaaaaassss!!! Buáááááááá"

É tão lindo e faz tão bem o Amor, não é?!    

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Relações à distância

Há algumas que resistem, há outras que abrandam e ainda há as que morrem de imediato. Relações à distância. Nunca acreditei nelas, mas também nunca as vivenciei, até há pouco tempo... Nas coisas do amor e no início da paixão, há sempre uma distância brutal e violenta. Ele/a até podem estar a 1 km ou a 10 cm, mas a distância é sempre grande, nunca estamos suficientemente perto porque não conseguimos fundir-nos com o outro. Depois, com o amainar da paixão, aumenta o tamanho confortável para a Distância. "Este é o meu espaço e esse é o teu" e respeitinho! "Encontramo-nos em determinados tempos - de preferência curtos - mas de resto eu sou eu, e tu és tu". Por fim, quando a paixão desaparece e o amor não teve as fundições correctas, a Distância é sempre pouca, nunca estamos suficientemente longe porque não conseguimos encaixar-nos. E, em todas as etapas, a Distância convém ou desconvém, para o que mais nos convém. 
Hoje a Distância não me convém, para o que mais me convém... convinha-me dar-me bem com ela, mas não consigo. Como tal, não frequentamos a casa uma da outra, não partilhamos sal ou raminhos de salsa, apenas nos cumprimentamos brevemente no passeio. Há pouco tempo descobri que não sou só eu a não gostar Dela. Em conversa informal com o senhor Skype, vizinho do lado, descobrimos que tinhamos esse ponto em comum. Ele é um senhor discreto, facilitador de relações, aniquilador de Distância e Saudade. Eu gosto dele, no início achava-o distante, arrogante, frio e impessoal. Hoje, e depois de muitos meses, já frequentamos a casa um do outro, já partilhamos festas, desabafos, alegrias e tristezas. Os dois damos cabo da Distância e pomos a andar a Saudade. Não é verdade, Principessa?! 
Boa viagem, minha linda. Boa viagem, meu afilhado! Eu e o senhor Skype vamos iniciar a caça à senhora da Saudade. Ela já deu sinais de vida! Mas vamos dar cabo dela! Mi aguarda!




terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Pedro Abrunhosa... só se ela quiser

A caminho da escola e com a sua rádio preferida no ar, ia dizendo em voz alta "se ela quiser"... "se ela quiser" ... "se ela quiser". Só prestei atenção quando comecei a achar estranho ele estar a falar com um "Ele" desconhecido e repetidamente. 
Estando ele com aquele olhar para um horizonte inexistente, levantei o som do rádio para perceber se havia alguma ligação. A música que passava era esta...


e ao ouvi-la percebi que ele respondia ao prepotente do Abrunhosa, e muito bem! Se não, vejamos...


Leva-me ao fim da montanha, "se ela quiser" dizia ele
Dá-me do vinho da Vida, 
"se ela quiser" dizia ele
Estende o céu, faz a cama,
Onde me escondo da ferida,
E agora
Somos mais fortes que o chão.
Mostra-me a foz do teu rio, 
"se ela quiser" dizia ele
Vem à nascente do meu, 
"se ela quiser" dizia ele
Afasta a dor e o perigo, 
"se ela quiser" dizia ele
Porque a distância doeu,
E agora
Voámos em contramão. 
"se ela quiser" dizia ele

E há-de haver outro lugar,
E palavras p'ra dizer
Quando a terra abraça o mar
É como um Filho a nascer.
E há-de haver outra maneira,
De contar a quem não sabe,
Se me dás a Vida inteira,
Porque só vivi metade?

Leva-me de volta a casa, 
"se ela quiser" dizia ele
Abre as portas do jardim, 
"se ela quiser" dizia ele
Deita-me na tua cama, 
"se ela quiser" dizia ele
Diz que sim, diz que sim... 
"se ela quiser" dizia ele

Segue por este caminho,
Apanha luas de prata, 
"se ela quiser" dizia ele
Um Beijo é o nosso destino,
Beijo que fere e não mata,
E agora
Somos mais corpo que dantes.
Não temos frio no fogo,
Trazes por dentro o verão,
Vejo-me em ti e descubro
Somos luz, sombras não,
E agora
Voámos em contramão. 
"se ela quiser" dizia ele
...

Ai Abrunhosa tens tanto a aprender sobre o Amor... O Guerreiro é que sabe, isto da exigência e do amor tem de ser feito em espelho, em exemplo, em liberdade e não, na exigência das palavras e dos actos!







segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Bola de Ouro, de Berlim ou ... ?!

Tem valor e ficamos mais ricos, sem dúvida! Somos portugueses e temos entre nós os melhores jogadores de futebol do mundo. Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo. Ficamos sem dúvida mais ricos e com a imagem mais valiosa. Sem dúvida que, a demonstração amorosa de Ronaldo, ficará gravada na memória de todos por muitos anos. Sem dúvida que, os valores levantados por Ronaldo: família, amizade, trabalho, esforço, luta são características grandiosas e exemplos a seguir. Somos conhecidos por mais este feito histórico. Lembro-me de, em 2001, estar em Zanzibar e me perguntarem de onde era: "Portugal". A resposta veio igual mas com uma grande interrogação no fim "Portugal?!?!?!" ... "Sim! Portugal! Do Figo" ... "Ahhhhhh Figo! Figo!". Afinal existe Portugal. Antes isso do que "Ahhhhhh Bomba atómica!" ou "Ahhhhhhh 11 de Setembro!" ou "Ahhhhh Auschwitz!" ... antes isso. 

O certo é que, não sendo Portugal um país de origens futebolística, a história já começa a enraizá-lo. E que a raiz seja um desporto e a sua história cheia de motivos de orgulho. A escala gigante do futebol, e o que se passa com os outros desportos, também já conhecemos. O que é maior nesta escala, é termos entre nós três exemplos de Pessoas a serem as melhores do mundo. E isto não deve ser nada fácil. Somos sete ou oito biliões de pessoas nesta bola planetária e, entre elas, temos as três melhores, num desporto. Somos bons no físico, nos Jogos Olímpicos já demonstrámos e nos Para-Olímpicos também (e assim continuemos, cada vez com mais garra e mais apoios). 

Mas o que eu queria mesmo era que fossemos os melhores, pelo menos, na categoria de Ministro da Educação. Deveriam existir uns prémios que galardoassem os governantes de um país. Imaginem a alegria que era nós termos o Melhor Ministro da Educação do Mundo! Aquele que tinha à escala mundial os maiores valores éticos, as acções mais certeiras, a admiração do seu povo, bandeiras nacionais colocadas na varanda à sua imagem e valor. O ministro que era o Comandante da Educação! Aquele que todos queriam para o seu país. O mais valioso! Aquele em quem nós depositávamos toda a confiança e que, nos momentos decisivos, deixava dez milhões a aplaudir e a chorar de emoção! Aquele que provocava homenagens à porta do ministério! Aquele que era benzido e aclamado por Papas e Bispos! Ora Bolas... isto é que era uma boa Bola para mim! Isto é que era um Valor Tamanho! 

Não sendo assim, fico-me por aqui a desejar a implementação destas Bolas de Ouro Governamentais, a bater palmas às Bolas-de-Berlim - do café Califa, que de certeza tem  um pasteleiro com Bola de Ouro e, por fim, a tentar dar cabo das bolinhas de celulite instaladas por Berlim!

Bola de Berlim é como a de Ouro... invejada, ambicionada, "engordativa" de espírito, saciadora de nervos!

Bola-de-Berlim, Portugal

Descuidar a saudade...

Que o tempo não cuide da saudade... que só se descuide dela e nela se descaia! 

Festival Boom Azeitão 2014


  • O festival vai ser um Boom criativo! Mais um projecto criativo nascido do empreendedorismo de uma amiga. Uma Oficina Criativa - Boom. Num lugar bem bonito, Vila Nogueira de Azeitão, numa antiga farmácia, está este espaço. Quem o cria anda nestas voltas criativas há muitos anos. Conheço uma das sócias, a Paula Moita. Conheço-a dos livros e dos hospitais - Dar Cor à Vida (e aqui também) e é uma pessoa cheia de cor, cheia de energia e talento. A Paula continua a pintar algumas paredes, estas são o seu recente trabalho. Precisa de divulgação e de amigos a visitar. Tem livraria, ginásio, cozinha, paredes de ardósia, canto de contos e muita energia boa.
    O programa de um bom dia: almoçar em Setúbal, passear na Arrábida, descer para Azeitão, ir às Tortas de Azeitão e depois à Boom. Deixo-vos algumas imagens (made by me, num dia de aniversário da Boom). Se puderem partilhar façam-no, vai ser bom para todos!

    "O projeto que fez surgir o Boom – Oficina Criativa, pretende fazer deste espaço, um lugar onde exista a possibilidade permanente, de pessoas de todas as idades poderem usufruir de diferentes atividades ligadas a vivências artísticas e expressivas, de forma a que isso possa contribuir para o seu desenvolvimento em termos pessoais, sociais e culturais.

    A nossa proposta é que exista uma oferta variada ao nível das várias expressões artísticas:
    Plástica, Musical, Dramática, Literária Físico-motora


    Acreditamos que a prática regular destas atividades, além de contribuir para o desenvolvimento de novas competências, permite ainda participar em desafios coletivos e pessoais que influenciarão a forma de aprender e comunicar e constituirão uma oportunidade de partilha de sentimentos, emoções e conhecimentos.


    Queremos que a Oficina Criativa seja um espaço de liberdade e participação ativa, de todos os que a frequentam, propondo por isso um leque variado de ofertas que se adequem ao perfil de cada um.
     

    Biodanza Dança criativa Escrita criativa e leitura em voz alta Teatro Música Pintura
    Construção de composições tridimensionais a partir da observação e da
    imaginação.
  • A BOOM- Oficina criativa é um lugar para despertar cérebros.

    Acreditamos na Criatividade como ferramenta eficaz para o dia-a- dia capacitando cada individuo para vencer todos os obstáculos que se deparem no seu percurso quer profissionais, quer pessoais."



















domingo, 12 de janeiro de 2014

Sou alentejana por embalo

Sou alentejana por embalo. Nasci longe dali mas quem me embalou e embala, está lá. Um embalo balançado no sotaque, no cante, nas cores, na paisagem, nas histórias, no pão e no vinho, nos doces. Um embalo balançado nos ramos dos sobreiros, por entre uma história e outra. 
E é certo que, num domingo cansado e cinzento, passado no Além-Tejo, esta música é  o melhor balanço para mim. 


quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Vórtice a pular...

Às vezes o que o tempo congela, faz descongelar o coração.

Às vezes o que o tempo descongela da vida, faz congelar o coração.

É o chamado "vórtice saudoso". Um "passatempo" que se fartou de "passar" e decidiu "parar". Um páratempo. Um tempo suspenso em saudade.

Central Park, Janeiro, 2011

Adega dos Canários desde 1933

Lisboa - Cais do Sodré - Rua do Irish Pub - lado oposto, esquina oposta... a Adega dos Canários! Mais um daqueles sítios, em Lisboa, bem descobertos. Obras feitas, cheiro a novo. Happy hour das 17h às 20h - Imperial Heineken a 1€ e Copo de vinho a 1€ (e bom!). A acompanhar estão umas batatas fritas, umas azeitonas e um excelente atendimento. Passem por lá.








terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Ele ali e ela lá

Ele, provavelmente, a acabar o ciclo sexagenário. Ela, invisível aos meus olhos, provavelmente, a começar as duas dezenas de aniversários. Ele ao telefone. Ela, invisível aos meus olhos, ao telefone. Ele com ar derreado, esgotado e quase tresloucado. Ela, invisível aos meus olhos, com ar colérico, cadavérico e anti esotérico. Ele de telemóvel na mão. Ela, invisível aos meus olhos, de telemóvel na mão. Em comum, os dois comunicavam entre si. Em desacordo, a orientação no planeta "Shopping"!


Oh filha... mas já vi...
...

Não há lá nada do que me estás a dizer...
...

Não, não há!
...

Como "é impossível?!" Se eu te estou a dizer que não há, é porque não há. Eu já fui de uma ponta à outra e não há!
...

Ai filha... tu metes-me em cada trabalho... ai valha-me Deus!
... 

Tu sabes que eu não gosto deste centros comerciais! E estou a ficar farto!
...

Oh filha, claro que faço.
...

Mas é preciso que eu primeiro encontre a de mulher! Não é?!
...

O que é que diz?! Ai filha diz "Zara Óme"... a de mulher não há! Já andei de uma ponta à outra e não há! 



(e muito havia para "dizer" acerca deste pequeno trailer assistido por mim, ou não... "Eles" deste mundo podem opinar. "Elas" deste mundo podem ir buscar os Kleenex!)

O mar de Portugal, hoje

Estas são as imagens de Portugal (7 janeiro 2014). 
Mar e Fogo tão opostos e tão iguais. Respeito é preciso.
Mar e Fogo muito mais poderosos do que qualquer um de nós!

http://www.tudosobresintra.com/2014/01/mau-tempo-no-litoral-de-sintra-ja-levou.html?m=1

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

USA... how are you? Dance and stay warm!

E antes de fechar... espero que a Rainha consiga aquecer-se com a dança aqui para os lados da Europa, e que deixe o seu calor nos EUA... 


Hoje a Rainha recebeu os seus Reis numa festa estridente!

Hoje reinaram três imagens no meu reino: despedida - natureza - fúria

Também no meu reino estiveram presentes as imagens da despedida do Rei Eusébio. A ele juntou-se o Rei Zé Coutinho, o Rei Torrinha e a mãe do Senhor Rui. E parece que a Rainha Natureza quer celebrar isso com grandes festas


Hoje a Rainha recebeu os seus Reis numa festa estridente! Que haja festa Rainha! Que continues a dançar alegremente com os teus novos convidados! Que faças confundir as nossas lágrimas com os teus pingos de suor! Dança e celebra a vida destes Reis que aí te chegaram...

domingo, 5 de janeiro de 2014

Benfica sem "E"

Benfica ficou sem o seu "E"... 
é sabido por todo o mundo que se perdeu, fisicamente, mais um valor. Um valor especial porque, acima de tudo, nos servia como um bom exemplo. Era O Homem da ética nacional do desporto. Hoje, na comunicação social, várias palavras se ouvem acerca do nosso Eusébio. As que mais me marcaram, e mais sentido me fizeram, foram as de Tony: "Existem muitos príncipes, mas Rei só existe um, e é o Eusébio". Sobretudo, e o maior exemplo que fica, é o de ser um jogador de alta competição em que o seu rótulo são os valores éticos. E, para quem cresce na alta competição, deve ser o exemplo a seguir. Dificilmente estes valores surgem em quem não foi educados com eles. Tenho a certeza que o Eusébio terá crescido no meio deles. Vale a pena recordar tudo, vale a pena três dias de luto nacional, valem a pena todas as homenagens. Porque nenhum destes momentos será maior do que, o aquele Ser humano foi. Mandela e Eusébio, dois homens a vingarem pela humildade, sentido de justiça, crença e valores éticos. Benfica sem o seu "E" mas para sempre Glorioso de o ter tido e merecido!


sábado, 4 de janeiro de 2014

Hoje é dia de festa! Um ano de vida Sabura!

Hoje o Beijo Sabura faz um ano! 
Já começaram a rebentar os seus primeiros dentes, a sua coluna já aguenta muito tempo na posição vertical e já disse a primeira palavrinha "mãe!"... (claro!)

Hoje é dia de festa. Hoje a Cabeça de Andorinha vai voar. 

Há um ano atrás este foi um dos projectos para o ano de 2013. Um ano de compromisso de escrita. Um ano a tentar, todos os dias, encontrar os momentos e as palavras certas. Um ano a registar momentos na mente, no papel, no ecrã do telefone e no teclado do computador. Um ano com apenas uma paragem, de duas semanas, na escrita. Um ano que me deu muitos bons frutos. Um ano que me permitiu deixar escritos muitos bons momentos e que, no futuro, me voltarão a dar outros bons momentos. Um ano em que percebi que gosto deste tipo de escrita "terra-a-terra" (já ouvi dizer). Um ano em que me apercebi que há mais pessoas a gostar. Um ano em que pensei muito no sentido das palavras.
Para o próximo ano desejo (quando conseguir) melhorar o seu aspecto, fazendo uma daquelas formações de blogues (se não forem caras ou muito extensas). Continuar a ter temas e momentos para escrever. Melhorar a minha escrita, não saindo do meu ideal. Crescer. Ajudar. Quiçá complementar a minha profissional com alguma escrita e... dar-vos novidades, a par e passo, do meu/nosso novíssimo projecto...

 ... passados 365 dias, tenho/temos outro projecto (para além da acabar a tese de mestrado)... construir outro ninho, não um ninho para as palavras - esse já aqui está - mas sim, um ninho de vida!!!
Esta vai ser a grande aposta para o ano 14: construir um ninho Sabura! Já temos um pedaço do planeta Terra em nosso nome. Continuamos entre o Tagus e o Atlântico. Este ano seremos uma família "Construções Sabura". E já andamos absorvidos em mil e uma ideias de chão, madeiras, jardim, cozinhas, loiças de casa-de-banho, portas, cores, tons, temas, etc...Uff!!! A primeira parte não foi fácil - encontrar uma casa e comprá-la; mas a segunda também não é menos difícil - reconstrução total de uma casa! Nunca tinha pensado em tanta coisa necessária para um ninho e sobretudo, nunca tive de pensar em materiais que, dependendo do meu "sim" ou do meu "não", permaneçam na minha casa para sempre! O que escolher?! Será que não me vou cansar?! E que estilo?! ... tanta coisa boa! 

Sejam bem-vindos ao novo ano Sabura! Espero que continuem por aqui!  

Beijos Sabura a todos vós que me incentivam, criticam, elogiam, chamam a atenção, falam com os amigos, corrigem, lêem. Obrigada pessoas lindas de Portugal! Obrigada a quem está fora de Portugal - tenho tanta curiosidade de saber o que vocês pensam do Beijo e como chegaram aqui! Obrigada ao amigo da amiga! Obrigada à amiga da amiga! Obrigada ao amigo do amigo! Obrigada à amiga do amigo!

O resto fica com esta foto e com os 471 textos publicados neste primeiro ano!
  

Euro-milhões com jackpot

... hoje também estava convencida que, em dia de apostar no jackpot do euro-milhões, se um pombo me utilizasse como sanitário, era prémio garantido... enganei-me no valor que me foi atribuído! Atribuíram-me só a terminação do pombo! 

(mas deve haver um provérbio qualquer que diz que este tipo de acontecimentos dão sorte...)

Mas as estrelas do euro-milhões ganhei-as... foram a companhia do passeio!

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Sabedoria popular

"Mais vale só e tranquila, do que acompanhada e destrambelhada" tenho a certeza que também já a ouviram/sentiram/disseram. Se não, aqui fica!

(assim como assim vamos tendo o calendário-tuga mais sagrado e com direoto à palavra eleita de 2013 - BOMBEIRO!)

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Espírito Belong armadilha cartas

(ao telefone)

Filha... recebeste uma carta que eu acho que pode estar armadilhada!

O quê?! Oi?! Hein?! Quem?! Como?! (passou-se de vez... o espumante da passagem de ano começa agora a fazer efeito!) O quê?! Uma carta armadilhada? Mas estás louca?!

Ai filha sei lá... quando abri o correio vi um envelope que só tinha o teu primeiro e último nome, de um remetente esquisito... olha... e eu acho que pode estar armadilhada. Tu não tens inimigos mas nunca se sabe!

O quê?! Oh mãe pára lá com isso e explica-me como é que é a carta...

Está bem! Eu vou buscá-la lá fora...

Lá fora?!

Sim, eu deixei-a pendurada no portão. Não fosse aquilo explodir, não é?!

O quê?!

...

Estás a ver, eu vou abanar o envelope e vais ouvir o barulho esquisito que faz...

shhhhc  shhhhc shhhc    É esquisito ou não?!

Oh mãe, lê por favor o nome do remetente

Ok... Bélongue

Bélongue?! (tradução simultânea de inglês mãe - inglês ofocial) Belong? Ahhhhhhh Belong! Abana outra vez, por favor! Já sei de onde vem! Tranquila é uma oferta surpresa!

... tinha razão a minha mãe, era uma carta armadilhada de espírito Belong e cheia de sementes de alfazema! Que bonito! Gosto deste espírito! Belong to nature, staying & feeling and growing & tasting! Obrigada, nós iremos Belong no nosso próximo quintal! (pior mesmo é a Humanidade deste cantinho de Portugal pensar que o Antrax pode chegar cá ou que esse tipo de terrorismo é possível... andamos inseguros, senhores governantes!)