terça-feira, 27 de maio de 2014

"Eu não me importo com o que os outros pensam, dizem ou acham de mim. Eu sou assim, se gostares ficas, se não...que assim seja!"

"Eu não me importo com o que os outros pensam, dizem ou acham de mim. Eu sou assim, se gostares ficas, se não...que assim seja!"

E o que me tira do sério esta ladaínha?! Fico-me com umas ganas na garganta e nas palmas das mãos... 

1º Se não te importas tanto, não fazias questão de relembrar, vezes sem conta, esta ladaínha. Provavelmente, se te sentisses seguro contigo e com as tuas decisões, vivias tranquilamente com as tuas verdades e tudo o que os outros dissessem de ti, era recebido como um acto de Amor.

2º Se não te importas com o que os outros pensam, dizem ou "acham" de ti porque estás com eles (se não estás com eles certamente não ouvirás nada, mas se ouviste é porque estás com eles, seja de que maneira for)? Provavelmente para outras coisas que não, a aprovação em relação a ti... mas ainda bem que eles pensam, falam e "acham" acerca de ti, de outra forma era sinal que tinhas sido completamente indiferente aos seus olhos (talvez por seres uma pessoa pouco interessante e que nada acrescente à vida de quem está próximo).

3º Se não te importas com o que outros pensam, dizem ou "acham" de ti como podes também dizer que a tua reacção é o reflexo do Outro? Provavelmente se não tivesses ninguém a pensar/dizer ou "achar" de ti, o que vias reflectido era o vazio (sim, às vezes é muito bom ver o vazio, mas por norma conseguimos isso por curtos períodos de tempo, numa prática chamada "meditação" - que não é um estado natural do Homem, ou então és um Deus, meditas, levitas e vives em jejum neste século e neste mundo).

4º Se não te importas com o que os outros pensam, dizem ou "acham" de ti, será que andas a pensar, a "dizer" e a achar alguma coisa em ti? Provavelmente se só pensas/dizes/"achas" em ti e para ti, um dia vais abrir os olhos e perceber que à tua volta todo o mundo desapareceu. Ficarás sozinho. Mas afinal é isso que queres, certo? Não ter reflexo de nada, nem ninguém para encontrares a tua essência, a tua pureza (de preferência num Ashram de 5*****). E aí é que está o engano... nós somos animais (alguns civilizados), não somos um Deus Omnipresente... e, como animais que somos, vivemos em pares, bandos, matilhas, cáfilas, famílias. Nascemos porque dois animais copularam, e não por geração expontânea. 

Da próxima vez que disseres que não te importas com o que pensam, dizem ou acham de ti... põe-te no lugar do outro e observa-te. Observa a tua imagem e o que a rodeia. Se estiveres sozinho, em breve morrerás. Não há ser vivo que não dependa de outro. 
Da próxima vez que disseres que não te importas com o que o outro diz de ti, estás a dizer ao outro que não se importe contigo.

Lembrei-me daquele slogan "Todos diferentes, todos iguais". Somos espelhos uns dos outros...

E podem pensar, dizer e achar o que quiserem de mim,

*"pensar, dizer ou achar" são aqui utilizados como verbos normais/regulares na vida, que podem ser utilizados no dia a dia. Não nos referimos a estes verbos quando estes são utilizados para ferir a vida de alguém/outro... 

Sem comentários:

Enviar um comentário